O coração fetal: a importância da ecocardiografia

ecocardiografia-fetal

A ecocardiografia é capaz de detectar ou excluir anormalidades estruturais ou funcionais do coração do feto, independentemente da presença de fatores de risco para cardiopatias.

O funcionamento do sistema cardiovascular fetal pode ser avaliado minuciosamente pela ecocardiografia, exame realizado pela cardiologista pediátrica especializada em doença cardíaca fetal congênita entre a 22ª e a 32ª semanas de gravidez.

A ecocardiografia é um exame complexo pois o coração fetal tem algumas peculiaridades que o diferenciam do coração do recém-nascido.  A placenta e não os pulmões do feto é quem é responsável pela oxigenação do sangue, logo não há necessidade que existam trajetos diferentes do fluxo sanguíneo do ventrículo direito para os pulmões (pequena circulação) e do ventrículo esquerdo para as demais partes do corpo (grande circulação). Na verdade, estes dois sistemas estão unidos por meio de “atalhos” ou “desvios” anatômicos que se fecham após o nascimento. As pequenas dimensões da área cardíaca fetal, a posição da placenta e a movimentação do bebê são outras variáveis que tornam este exame desafiador.

Quando realizar a ecocardiografia fetal?

Pacientes com história de cardiopatia congênita na família ou portadoras de diabetes e determinadas doenças autoimunes como o lúpus, ou aquelas com gravidez gemelar ou idade acima de 35 anos devem realizar este exame. Este exame também está indicado quando observa-se alteração na medida da translucência nucal ou mesmo alterações morfológicas fetais extracardíacas.

Imagem: Fotolia

Ecodopplercardiograma Fetal: 7 fatos importantes

ecodopplercardiogramaO estudo do coração fetal é parte importante da avaliação morfológica do bebê, necessitando de aparelhos sofisticados que disponibilizem da tecnologia 3D/4D e de médicos especializados em cardiologia fetal.

A análise da anatomia, do ritmo e da função cardíaca são relevantes no diagnóstico de doenças cromossômicas, no acompanhamento de fetos com baixo peso, em mulheres acima de 35 anos ou portadoras de doenças como diabetes e pressão arterial. Listamos, abaixo, 7 notas importantes sobre a importância do ecocardiograma fetal:

  1. A malformação do coração fetal é uma das principais alterações encontradas na vida intrauterina.
  2. 40% das mortes logo após o nascimento são causadas pelas cardiopatias congênitas.
  3. Além de avaliar detalhes da anatomia o exame avalia a função do coração.
  4. Possibilita o diagnóstico das arritmias do coração fetal e a resposta ao tratamento antiarrítmico.
  5. Pais previamente informados e cientes sobre a alteração cardíaca e possíveis abordagens terapêuticas tendem a enfrentar emocionalmente melhor o processo de tratamento.
  6. O diagnóstico pré-natal das cardiopatias congênitas propicia o planejamento antecipado das condutas a serem adotadas logo após o nascimento.
  7.  Melhor método para o diagnóstico da maioria dos casos de cardiopatia congênita.

Fonte:
Lopes, LM, Zugaib, M. Arritmias fetais. Arq Bras Cardiol 1997;69(3):219-222.
Nayak, K, Naveen, CGS, Shetty, R, Narayan, PK. Evaluation of fetal echocardiography as a routine antenatal screening tool for detection of congenital heart disease. Cardiovasc Diagn Ther 2016;6(1):44-49.
Carvalho JS, Allan LD, Chaoui R, Copel JA, DeVore GR, Hecher K, Lee W, Munoz H, Paladini D, Tutschek B, Yagel S. ISUOG practice guidelines (updated): sonographic screening examination of the fetal heart. Ultrasound Obstet Gynecol 2013;41: 348359

Imagem: Fotolia